Dengue - Como eu me curei dela!No dia 19 de abril de 2007 eu acordei com dores terríveis no corpo, como se tivesse levado uma surra, estava com febre e muito mal estar, muita dor nas pálpebras, todos sintomas de dengue, mas não queria admitir que estava com esta doença. Como tinha que dar uma aula e depois uma palestra no Sesc, levei argila terapêutica para o trabalho, para fazer uso interno. Tomei água argilosa (uma colher de café do pó da argila em três dedos de água) assim que cheguei ao Teatro de Tábuas (ONG em que eu trabalhava na época) e depois, tomei de novo, após a aula do projeto, por volta de 11:30h. Com isto, consegui reunir forças para dar a palestra no Sesc, mesmo com muita febre, tremendo de frio. Sai de lá e fui para uma consulta de floral com a Mariângela (terapeuta floral e professora de eutonia), mal conseguia manter meus olhos abertos. Passei pela consulta e ela me receitou florais que pudessem auxiliar no meu restabelecimento. Ali mesmo já tomei cinco gotas. Ao chegar em casa, comi metade de um mamão, preparei uma pasta de argila, apliquei no abdômen, tomei mais cinco gotas de floral e fui dormir.

 

No dia seguinte seria inauguração da sede do Teatro de Tábuas e eu tinha que estar presente. As dores continuavam, mas com menos intensidade, continuava com febre e ainda dor nas pálpebras. A dor no corpo diminuiu consideravelmente. Continuei fazendo uso interno da argila durante umas duas vezes ao longo do dia.

 

Quando cheguei em casa, não consegui comer, pois estava muito enjoada, então, tomei água argilosa, fiz uma aplicação de argila no abdômen e fui dormir. No sábado, passei o dia de cama, comendo bem pouco por causa do enjôo e aplicando argila no abdômen de tempos em tempos. De noite, a febre chegou ao seu limite, tive queda de pressão, perda do equilíbrio e dos sentidos, quedas e convulsão. Após esta crise, o Martim (meu marido) me deu um banho e fomos dormir. De madrugada acordei com fome, mas não consegui comer, consegui me alimentar a base de soro caseiro. No domingo e dias seguintes, continuei com as aplicações de argila no abdômen e tomando soro. A febre cedeu por inteiro na segunda-feira de noite, o enjôo foi diminuindo, mas ainda me sentia fraca e sem energia. Na terça, já consegui voltar a me alimentar e a caminhar e tiveram início as coceiras no corpo. Na quarta já voltei a trabalhar e as coceiras continuaram por mais dois dias, para amenizá-las, lavei os locais ora com água argilosa, ora com água de vinagre de maçã (uma colher de sopa de vinagre de maçã para 500ml de água).

 

De todos os casos de dengue do Teatro de Tábuas (no total cinco funcionários), o meu foi o último e mais grave, em que tive todos os sintomas desta doença. Por outro lado, a cura se deu mais rápido, acredito que pelo tratamento realizado, em que aliei o uso poderoso da argila terapêutica, o descanso do corpo e técnicas naturais, além de muita espiritualidade.

 

Relato real de Wanda Patrocinio

 

Caro leitor, nossa empresa se preocupa com a saúde e o bem estar de todas as pessoas. Desenvolvemos um trabalho na área de terapias complementares, porém gostaríamos de salientar que qualquer tratamento aqui sugerido não dispensa uma orientação médica ou qualquer orientação na área que você esteja precisando. Isto significa que os tratamentos com argila terapêutica e outros devem complementar o tratamento já realizado, mantendo sempre o acompanhamento médico.
 

Atenciosamente,
Equipe GeroVida.

GeroVida Todos os direitos reservados.2017 - Desenvolvimento - Dinamicsite®