Uma Sensibilização no Universo das Flores.

Nesta vivência iniciamos com uma dinâmica de apresentação. Em dupla as pessoas se apresentaram falando o nome, breve relato da história de vida e da experiência artística com dança e música. A dinâmica tem uma duração de quinze minutos. Nesse prazo, uma pessoa fala de si e a outra pessoa apenas escuta e/ou faz perguntas e vice-versa. Ao final, em uma grande roda todos se apresentam e cada pessoa fala sobre o parceiro que conheceu. Esta dinâmica tem como objetivo trabalhar a memória, pois ao apresentar a outra pessoa na roda, o participante terá que resgatar da memória o que escutou. Além disto, trabalhamos com concentração e atenção. Segundo Goldfarb (1998) “a memória tem o valor da história viva” (pág. 89). Assim, ao trabalhar com esta dinâmica resgatamos a história viva da história de vida de cada participante e contribuímos para sua autovalorização e valorização aos olhos do grupo.

 

No segundo momento da vivência, propomos um estímulo criativo: compondo um jardim imaginário, cada pessoa escolhe uma flor que a represente, que tenha um grande significado em sua história de vida. Do trabalho individual parte-se para os trabalhos coletivos, considerando as histórias das flores contadas e o significado do jardim formado. Compõe-se então uma coreografia ou mímica em grupo.

 

No segundo dia da vivência, os grupos tiveram a oportunidade de organizar e ensaiar a coreografia que iniciaram no encontro anterior, atentando para os detalhes, figurinos e cenário. Cada grupo fez sua apresentação para o grupo maior e encerramos o encontro com uma vivência de automassagem e partilha, momento em que cada participante compartilha na roda o processo vivenciado. A automassagem permite aos envolvidos tocar em si mesmos e cuidar de seu próprio corpo, corpo este muitas vezes esquecido e abandonado em nosso cotidiano. Segundo Todaro (2001), o processo de abandono corporal (pelo indivíduo e pela sociedade) pode significar também a perda do eu corporal e a manutenção do movimento repetitivo como se este fosse único. Participar desta vivência possibilitou aos participantes a retomada do contato consigo mesmo e com suas histórias de vida.

 

(Para saber mais, leia a apresentação deste trabalho no artigo postado em 29/01/2008; e no artigo Encontro Introdutório postado no dia 05/02/2008).
 
Escrito por: Wanda Patrocinio - 12/2/2008

GeroVida Todos os direitos reservados.2017 - Desenvolvimento - Dinamicsite®