Disponibilizamos 76 sugestões de leituras para aquelas pessoas que queiram se aprofundar nas áreas relativas à GeroVida: arte, educação, gerontologia, saúde e terapias complementares.

Boa leitura!

76) “Os sete pilares da qualidade de vida”, de Ramon Luiz Moreira e Marcos Goursand. Editora Leitura, 2005.
Os autores apresentam, neste livro, os sete itens indispensáveis para a obtenção de uma vida de melhor qualidade. Denominam “Os Sete Pilares da Qualidade de Vida” elementos do cotidiano que devem ser avaliados com cautela e, quando necessário, reformulados em sua estrutura. São eles: Alimentação, Atividade Física, Sono, Trabalho, Afetividade, Sexualidade e Lazer. Para os autores, cuidar bem desses “sete pilares”, compreendendo-os como elementos indissociáveis, é o caminho para uma vida saudável. Destinado ao público leigo, o livro oferece explicações simples para aqueles que desejam uma vida de melhor qualidade; oferece um passo a passo que quer estimular o leitor a mudar seus hábitos sedimentados, trocando-os por novas e mais saudáveis condutas. (Postado no dia 20/10/2011)

75) “Poesia”, de Fernando Pessoa. Editora L&pm.
Uma antologia organizada por Sueli Barros Cassal, onde foram selecionados alguns dos principais poemas produzidos pelo grande poeta português em suas diversas fases e pelos seus principais heterônimos. (Postado no dia 14/10/2011)

74) “Gerontologia social para leigos”, de Nara Costa Rodrigues e Newton Luiz Terra. Editora Edipucrs, 2006.
Esta obra se constitui como uma contribuição importante para que as pessoas, especialmente as idosas, possam compreender o comportamento e o agir das pessoas, das famílias, dos profissionais, das políticas, enfim, da sociedade em relação ao velho. O livro está dividido em oito capítulos e, na visão dos autores, apresenta uma sequência lógica e evolutiva sobre a Gerontologia Social. (Postado no dia 02/10/2011)

73) “Ensinar Aprendendo – novos paradigmas na educação”, de Içami Tiba. Editora Integrare, 2006.
Quanto custa para o país um mau governante? Quais são os danos ao planeta provocado por pessoas inescrupulosas? Qual é o mal que causa à sociedade um não-cidadão? Qual é a qualidade de vida de uma pessoa sem estudos? Estas perguntas nos levam à mesma conclusão: os educadores têm muito trabalho pela frente, pois sob todos os aspectos, é desastrosa a falta que faz a Educação na vida de uma pessoa. Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), do Ministério da Educação em 2005, desfazem inúmeros pré-conceitos sobre as características das melhores escolas brasileiras. Muitas são as surpresas: grandes nomes, tamanho de escolas, sistemas de ensino etc. O que não nos surpreende, porém, é a prova empírica de que o corpo docente é que faz a diferença. A preparação intelectual do professor, através de pós-graduações, mestrados e doutorados tem relação direta com o ranking das melhores escolas do país. Esse fato, entretanto, não deve ser encarado de forma isolada, mas sim como estopim de um circulo virtuoso: bons professores – melhor ensino – maior vontade de aprender dos alunos – melhores alunos – melhores mestres (alunos) – melhores professores. Questões fundamentais na relação professor-aluno são abordadas na obra “Ensinar Aprendendo”. (Postado no dia 13/09/2011)

72) "Por que o bocejo é contagioso? E outras curiosidades da neurociência no cotidiano", de Suzana Herculano Fouzel, Jorge Zahar Editora.
Há perguntas que nós fazemos todos os dias e, mesmo assim, nunca conseguimos responder: por que sentimos medo de filmes de terror? Por que suamos frio? Por que comer chocolate é tão bom? Por que fui contar aquele segredo? O que não desconfiamos é que as respostas para todas estas questões estão na neurociência.
Em “Por que o Bocejo é Contagioso?”, a neurocientista Suzana Herculano-Houzel responde a 80 dessas perguntas que tanto nos intrigam no cotidiano. Tudo isso de um modo simples, fácil de entender e, ao mesmo tempo, de acordo com as pesquisas mais recentes em sua área. A publicação inaugura ainda a série Ciência e Vida Comum, nova coleção de divulgação científica da Zahar, que apresenta para o leitor as aplicações da ciência e da tecnologia em nossas vidas cotidianas. (Postado no dia 07/09/2011)

71) “Reflexões sobre a arte”, de Alfredo Bosi. Editora Atica, 2000.
Este livro apresenta a definição do fenômeno artístico, pelo olhar de um dos nossos maiores intelectuais, Alfredo Bosi. (Postado no dia 29 de agosto de 2011)

70) “Fisioterapia e Reabilitação – Terapias Complementares”, de Carol M. Davis. Editora Lab, 2006.
É um livro abrangente que reúne as informações mais recentes sobre as principais terapias holísticas e as evidências quanto à sua eficácia.
Escrita por fisioterapeutas renomados, com vasta experiência acadêmica e clínica, a obra aborda as terapias seculares, consagradas, e as mais modernas e emergentes. Além de descrever as diversas técnicas em suas bases históricas e teóricas, o livro apresenta as aplicações clínicas sob a forma de estudos de casos, direcionando a teoria para o cotidiano de estudantes e profissionais.
Algumas das 18 técnicas abordadas no livro: acupuntura, biofeedback, ioga, massagem terapêutica, Pilates, reiki, tai chi e técnica de Alexander. (Postado no dia 22/08/2011)

69) “Vovô vai à escola: a velhice como tema transversal no ensino fundamental”, de Mônica de Ávila Todaro. Papirus Editora, 2009.
Diante do novo contexto populacional brasileiro, em que a estimativa de vida aumentou, a inclusão do tema “velhice” na escola faz-se cada vez mais necessária. Este livro aponta caminhos possíveis para que os professores de ensino fundamental trabalhem o assunto em sala de aula. O objetivo é levar as crianças a reverem estereótipos e preconceitos que possuam em relação aos idosos. A obra é dividida em duas partes: na primeira, a autora analisa a legislação brasileira sobre velhice e educação. Na segunda parte, ela comenta publicações nacionais e internacionais da literatura infantil nas quais aparecem personagens idosos variados, representando a heterogeneidade das experiências de envelhecimento. São sugeridas também atividades práticas para condução de rodas de leitura com os alunos. (Postado no dia 08/08/2011)

68) Dossiê “Educação Não-formal e velhice”, da Revista de Ciências da Educação, disponível no endereço http://www.am.unisal.br/pos/stricto-educacao/revista.asp
Organizado por Prof. Dr. Luis Antonio Groppo e Profa. Dra. Margareth Brandini Park.
A área temática da revista é Educação Não-formal, Educação Sócio-comunitária e Educação Salesiana.
Este n. 19 traz um Dossiê sobre “Educação Não-formal e velhice”, afora outros artigos. (Postado no dia 28/07/2011)

67) “Histórias, reflexões e metáforas”, de Jairo Mancilha e José Carlos Reyes. Editora QualityMark, 2006.
As metáforas, histórias e reflexões apresentadas neste livro são algumas das favoritas dos autores. Algumas foram escritas por eles e outras coletadas ao longo do tempo em treinamentos, palestras e até mesmo recebido pela Internet. Os autores as compartilhamos com você para a sua reflexão e talvez você queira até usar algumas delas na sua vida ou em seu trabalho. (Postado no dia 19 de julho de 2011)

66) “Wellness: seu guia de bem estar e qualidade de vida”, de Alberto Ogata e Ricardo de Marchi. Editora Campus / Elsevier, 2007.
O significado de Wellness é bem-estar em todas as dimensões, ou seja, física, espiritual, profissional e emocional. Este livro oferece orientação, com forte embasamento científico, mas em linguagem acessível, às melhores práticas para o desenvolvimento pessoal e é destinado às pessoas que querem melhorar seu estado de saúde e bem-estar. (Postado no dia 11/07/2011)

65) “Poesia numa hora dessas?”, de Luis Fernando Veríssimo. Editora Objetiva, 2002.
Ao longo de vinte anos, Verissimo guardou algumas preciosidades – poemas, tiras e desenhos publicados em jornais e revistas com o título de “Poesia numa hora dessas?!”. Foram reunidos os melhores momentos da série, nos quais o autor, com seu olhar sarcástico, traduz o cotidiano em lirismo. Com palavras ou imagens, nada passa em branco: reencarnação, o vagabundo, a morte… (Postado no dia 01/07/2011)

64) “Gerontologia Social: envelhecimento e qualidade de vida”, de Ricardo Moragas. Editora Paulinas.
O envelhecimento afeta o ser humano e aqueles que o cercam. Este livro mostra como obter uma melhor qualidade de vida na Terceira Idade, informando os leitores sobre as bases biológicas, psíquicas e sociais que atuam no idoso e influenciam sua conduta. (Postado no dia 21/06/2011)

63) “Sinais dos tempos: marcas de violência na escola”, de Sheila Daniela M. dos Santos. Editora Autores Associados, 2002.
Ao colocar a semiótica como foco de análise, o livro Sinais dos Tempos desvela um mundo surrealista, que passa despercebido para a escola, através de histórias reais, paradoxais e enigmáticas de crianças que buscam formas de expressão simbólica “gestos, desenhos, jogos, códigos” para dramatizarem suas experiências trágicas e silenciosas de violência. Apoio: Fapesp. (Postado no dia 04/06/2011)

62) “Curiosidades: não sabia, fique sabendo!”, de Carlos Bezerra Cavalcanti. Editora Ciência Moderna, 2007.
Qual a origem de palavras e termos do tipo Cristo Redentor, favela, e de um dos docinhos mais populares das festas brasileiras (o incensado brigadeiro), por exemplo? E de curiosidades de além-mar, como a árvore de Natal, o ovo de Páscoa, os tamanhos dos sapatos, o sorvete, enfim, tantas outras coisas que, se ficássemos falando aqui, aumentaria ainda mais a sua curiosidade. Desvende estas e outras curiosidades. Carlos Bezerra Cavalcanti será sua fonte de respostas, em um livro feito para enriquecer sua cultura geral. (Postado no dia 26/05/2011)

61) “Arte e Educação: da razão instrumental à racionalidade emancipatória”, de Candida Alayde de Carvalho Bittencourt. Editora Juruá, 2004.
Este livro tem como objetivo principal analisar criticamente a formação filosófico-educacional do arte-educador, à luz da teoria crítica de Adorno e Horkheimer, em particular, a semicultura, ação comunicativa e indústria cultural, bem como, identificar a concepção filosófico-educacional que norteou a formação de arte-educadores e investigar se a filosofia da educação, na formação do arte-educador, trabalha a concepção de ‘totalidade’ em relação à arte, considerando-a como expressão criadora, e em suas relações sociais, políticas e econômicas. Como a pesquisa se baseou na teoria crítica, o método usado foi o dialético. A motivação para a realização da pesquisa foi a vivência de pesquisadora/educadora que se propôs a investigar como se efetiva a formação do arte-educador e qual o referencial político-filosófico e pedagógico que fundamenta a formação universitária dos futuros arte-educadores. Dentro deste contexto foi constatado que o ensino artístico nas três instituições de ensino citadas acima, apresenta uma formação uniforme, que sugere a hegemonia de uma classe dominante preocupada em manter o status quo, e que, ao ignorar as transformações ocorridas no âmbito sociopolítico e no campo econômico-cultural e educacional, contribui para a formação de uma ‘massa acrítica’, sem visão da realidade social, política e educacional. Essa ‘alienação’ condiciona a formação de futuros arte-educadores, reprodutores da realidade, tal como ela se apresenta, impedindo que se forme um arte-educador emancipado-emancipador. (Postado no dia 17/05/2011)

60) “O livro completo de Terapias Complementares”, de Peter Albright. Editora Nobel.
Este livro lhe oferece informações para usar mais de 25 terapias amplamente praticadas e comprovadas para obter o máximo de saúde e bem-estar. Conheça os pontos de reflexologia que ajudam a aliviar a dor nas costas. Descubra que ervas acalmam a tosse. Verifique os benefícios da hidroterapia, cinesiologia, shiatsu, naturopatia, dança e musicoterapia – e mais! (Postado no dia 09/05/2011)

59) “Benditas muletas: reflexões para uma vida melhor”, de Jerônimo Mendes. Editora Vozes, 2006.
A obra reune textos informais e descontraídos sobre os grandes dilemas da humanidade. O livro remete o leitor à reflexão sobre a pressão e os desafios do mundo atual, sobre a hipocrisia e sobre a necessidade de perseguir os sonhos em vez de conformar-se. Essa obra tocará seu coração e sensibilizará sua alma. (Postado no dia 25/04/2011)

58) “Revolucione sua qualidade de vida: navegando nas águas da emoção”, de Augusto Jorge Cury. Editora Sextante.
Neste livro o autor não apenas revela as situações com as quais temos que aprender a lidar no dia-a-dia, mas também apresenta sugestões de como você pode gerenciar seus pensamentos, trabalhar suas perdas, tornar-se seu próprio líder e ser feliz. Um dos pontos-chave é a capacidade de adaptação e a percepção do momento certo para mudar. (Postado no dia 18/04/2011)

57) “Flor de Poemas”, de Cecília Meireles. Editora Nova Fronteira, 1983.
Reunião de poemas dos principais livros da poeta carioca, entre eles “Viagem”, “Canções” e “Romanceiro da Inconfidência”. Cecília Meireles escreveu uma poesia harmoniosa e inspirada em elevado misticismo. A seleção dos textos é de Paulo Mendes Campos. (Postado no dia 23/03/2011)

56) “Envelhecimento: prevenção e promoção da saúde”, de Julio Litvoc e Francisco Carlos de Brito. Editora Atheneu, 2004.
Prevenção e Promoção da Saúde tem como inspiração o fenômeno do envelhecimento populacional, hoje comum a quase todos os países. De acordo com os mais recentes estudos demográficos, a esperança de vida para os próximos 20 anos indica ser de 70% para as pessoas com 60 mais anos que viverão nos países em desenvolvimento. No caso do Brasil, o aumento significativo de população de idosos traz para a saúde pública, compreensivelmente, questões de assistência, não estritamente médica, e sim ligadas à saúde, como a socialização e a preservação de alguma atividade do idoso, tanto do ponto de vista psíquico como também das chamadas prevenção do envelhecimento e promoção da saúde. (Postado no dia 03/02/2011)

55) “A educação como cultura”, de Carlos Rodrigues Brandão, Campinas, SP: Mercado de Letras, 2002. Edição revista e ampliada.
No século XX e em terras brasileiras, o movimento editorial em educação foi fecundo. No entanto, talvez não precisemos de todos os dedos de uma única mão para contar os livros marcantes pela sua criatividade. O público leitor testemunhou, porém, que o antropólogo e educador Carlos Rodrigues Brandão fincou um marco definidor de competência, inovação e sinceridade com esta obra, que os educadores voltaram a ter nas mãos neste início de século XXI. Voltado para a cultura popular e a educação, é livro que traz a aura de vitalidade e o acento de generosidade que fazia, por exemplo, o fascínio das publicações de Paulo Freire. (Postado no dia 12/01/2011)

54) “O grande livro das curiosidades”, de Amir Mattos, editora Leitura, 2001.
A obra traz curiosidades sobre idiomas, ditos populares, invenções, vida sexual, coincidências, entre outras. (Postado no dia 15/12/2010)

53) “Os segredos da arte”, de Elizabeth Newbery, Editora Ática, 2003.
O que está por trás das sensações que uma obra de arte nos transmite? Como cores, traços, formas e texturas são transformados em expressão? Ao chamar a atenção para o percurso de uma obra artística, desde o material usado em sua elaboração até o efeito que ela causa no olhar, Os segredos da arte traz o trabalho do artista para bem perto do leitor. A série “Por Dentro da Arte” oferece um fascinante primeiro contato com as artes visuais. Com linguagem simples e centenas de reproduções de obras do mundo inteiro, com ênfase nos artistas brasileiros, destina-se a leitores de todas as idades. Um suplemento especial convida ainda a pensar um pouco mais sobre os temas abordados e a experimentar a linguagem artística na prática. (Postado no dia 06/12/2010)

52) "Liderança baseada em princípios”, de Stephen R. Covey. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
Este livro mostra como adquirir uma compreensão dos princípios básicos da liderança pessoal eficaz, o que ajudará os leitores a encontrar caminhos para solucionar questões da área profissional, pessoal e em diversos outros os níveis. O livro apresenta os seguintes tópicos:
- Características dos Líderes Baseados em Princípios;
- Uma revisão dos sete hábitos;
- A orientação moral;
- O poder baseado em princípios;
- Trinta métodos de influência;
- Oito formas de enriquecer o casamento e as relações familiares;
- Transformando seus filhos em campeões;
- Sete problemas crônicos;
- Mudando o seu paradigma gerencial;
- As vantagens do paradigma da liderança baseada em princípios;
- Controle organizacional versus auto-supervisão;
- Ambientes de aprendizagem. (Postado no dia 23/11/2010)

51) “Casais inteligentes enriquecem juntos: finanças para casais”, de Gustavo Cerbasi. São Paulo, Editora Gente, 2004.
Um dos maiores detonadores de brigas entre o casal são as dificuldades financeiras. Faltou dinheiro para pagar as contas? A culpa recai sobre o parceiro esbanjador, que não quer nem saber se havia saldo no banco na hora de fazer alguma compra. Sobrou dinheiro no fim do mês? Em vez de comemorar, o casal pode arranjar mais um motivo de discussão sobre como investir ou gastar aquela quantia. Para Gustavo Cerbasi, a causa desses desentendimentos é a falta de conversa em família sobre dinheiro. Em geral o casal só fala sobre o assunto quando a bomba já estourou. E, como não discute a questão a dois, a maioria não faz um orçamento, não guarda dinheiro para atingir suas metas (ou, pior ainda, cada um tem seu objetivo, que o outro não conhece), não tem planos para a manutenção de seu padrão de vida no futuro, toma decisões de compra sem refletir, investe mal o dinheiro que eles suaram tanto para ganhar… Tem jeito? Sim, é possível mudar esse quadro se houver vontade e compromisso do casal, seja qual for seu orçamento. Com sugestões para casais em qualquer fase do relacionamento, dos namorados aos casais com filhos adultos, Casais Inteligentes Enriquecem Juntos mostra diferentes estratégias para formar uma parceria inteligente, ao longo da vida, na administração das finanças da família. Ele traz também testes que avaliam a capacidade do casal em construir riqueza. E com isso vai até sobrar dinheiro para dar uma incrementada no relacionamento!
Opinião de quem já leu: este livro proporcionou uma mudança muito grande em minha vida e de meu marido… mudamos nossa forma de gerir as finanças e estamos trabalhando isto de forma unida. Demos um salto de qualidade em nossa vida pessoal e financeira!!! (Wanda Patrocinio) (Postado no dia 03/11/2010)

50) “Tocar: o significado humano da pele”, de Ashley Montagu. São Paulo, Summus, 1988.
Um livro que trata da importância do “tocar” em todos os aspectos do desenvolvimento humano. O autor dedica especial atenção à pele e ao tocar para a saúde física e mental, mencionado a descoberta das funções imunológicas da pele e acentuando a importância do tocar, especialmente para os idosos. São relatadas novas pesquisa experimentais sobre os efeitos da privação do toque e é demonstrada a relação entre tocar e criar imagens. Montagu da ênfase especial à importância do tocar em situações psicoterapêuticas. Um livro altamente estimulante e provocativo, indispensável não só aos profissionais envolvidos com o comportamento humano, mas também a todos os leitores que queiram se inteirar da importância do toque na vida de cada um. (Postado no dia 21/10/2010)

49)“Ser feliz é escolha sua: 9 escolhas de pessoas extremamente felizes – seus segredos, suas histórias”, de Rick Foster e Greg Hicks. São Paulo: Cultrix, 1999.
Através de relatos inspiradores e de uma sabedoria prática eficientemente apresentada, Ser Feliz É Escoolha Sua explora as nove escolhas que as pessoas extremamente felizes fazem e mostra como qualquer um pode aprender a criar uma vida feliz. (Postado no dia 08/10/2010)

48) “Mergulho na Paz”, do professor Hermógenes. Rio de Janeiro: Nova Era, 2001.
“Mergulho na Paz” é uma tomada de consciência que induz o leitor a voltar-se para dentro de si e relembrar lições de humildade e respeito, sobretudo nos dias atuais, em que sentimentos como angústia, fraqueza, insegurança, desalento e tantas outras misérias humanas ocupam cada vez mais lugar de destaque em nossas vidas. (Postado no dia 06/09/2010)

47) “Cuidar de idosos no contexto da família: questões psicológicas e sociais”, organizado por Anita Liberalesso Neri. Campinas, SP: Editora Alínea, 2006.
Nas grandes cidades, as dificuldades para os relacionamentos são ainda maiores, porque temos pouco tempo. Além disso, na vida contemporânea, sobra pouco espaço interior para reflexão sobre o sentido da velhice e da morte e para o cultivo da espiritualidade. Os mais velhos têm dificuldade para lidar com o significado da dependência e da inversão de papéis que esta impõe aos idosos e aos filhos. Sem significado existencial, o cuidar e o ser cuidado têm ainda maior chance de se tornarem experiências penosas. Assim, a presente coletânea trata dessas questões. Apesar de dados produzidos em outros países nos ajudarem, o conhecimento de como cuidadores brasileiros agem e como se sentem na situação de amparar idosos é de grande valia para a construção de modelos explicativos e de intervenção adaptados às necessidades dos idosos e de suas famílias. (Postado no dia 19/08/2010)

46) “Quem educa os idosos? Um estudo sobre professores de universidades da terceira idade”, de Meire Cachioni, Campinas, SP: Editora Alínea, 2003.
O livro apresenta um minucioso estudo sobre o perfil profissional e educacional do corpo docente envolvido em experiências universitárias com a Terceira Idade. Ele inicia um processo de sistematização e acúmulo de conhecimentos sobre a temática da velhice que é de inestimável valor conjuntural e estrutural. Constitui uma valiosa e consistente investigação sobre Gerontologia Educacional, colocando os estudos sobre as populações que envelhecem como ponto de convergência científica. É justamente a partir desta que (re) significa a problemática disciplinar da convergência como um conjunto, (nem sempre) integrado de abordagens. A discussão proposta ao longo do texto apresenta-se de forma didática e o tratamento dos conceitos, categorias e autores atinge seu ponto mais alto no domínio do enfoque das tarefas evolutivas. (Postado no dia 10/08/2010)

45) “Idosos, família e cultura: um estudo sobre a construção do papel do cuidador”, de Silvia Maria Azevedo dos Santos. Campinas, SP: Alínea, 2003.
Este trabalho tem a intenção de contribuir para que se amplie o corpo de conhecimentos acerca do processo de cuidar de idosos dementados na esfera doméstica, segundo a ótica dos próprios cuidadores familiares, considerando seus referenciais culturais.
Tem por objetivo investigar como se institui o papel do cuidador e quais os significados dessa experiência para esses cuidadores. Tal objetivo está fundamentado na tese de que a construção do papel de cuidador e a ressignificação do familiar como demente transcorrem ao longo do processo de convivência, segundo as experiências pessoais e as práticas socioculturais das famílias. (Postado no dia 26/07/2010)

44) “Alegria e vitalidade, não importa a idade: ficando melhor, não apenas mais velho!”, de Suzy Allegra, São Paulo: Cultrix, 2005.
Não é nenhuma surpresa o fato de envelhecer à medida que o tempo passa; mas o que dizer de envelhecer e levar uma vida cada dia mais feliz e saudável? Suzy Allegra nos apresenta ideias formidáveis, assim como sugestões e estratégias que nos ajudam a tornar a nossa vida plena e gratificante – independentemente da idade.
Aprendendo a rever as dádivas que já recebeu, você descobrirá como superar as dificuldades ligadas ao envelhecimento, deixar de lado as atitudes defensivas e concentrar todas as suas energias na conquista de uma vida vibrante e satisfatória.
Cheio de citações inspiradoras, exercícios que o ajudarão a alcançar seus objetivos e conselhos extremamente sábios, Alegria e Vitalidade, Não Importa a Idade o leva numa jornada além do tempo, da qual você voltará cheio de força e disposição para aceitar o processo de envelhecimento com elegância e entusiasmo. (Postado no dia 15/07/2010)

43) “Velhos institucionalizados e família: entre abafos e desabafos”, de Adriana de Oliveira Alcântara. Campinas, Editora Alínea, 2004.
A responsabilidade pelo cuidado a idosos que não podem sobreviver por si próprios é uma questão extremamente delicada. A família é certamente o espaço a ser privilegiado, mas o Estado e outras instituições sociais não estão isentos de responsabilidade pelo amparo aos velhos biológica, psicológica ou socialmente desvalidos. Assim, as instituições de longa permanência são uma opção viável e uma necessidade social.
Dessa forma, o livro permite ao leitor perceber como os idosos se adaptam a elas de forma a não considerá-las como um mal necessário. (Postado em 07/07/2010)

42) “Filosofia como terapia: uma introdução ao estudo da filosofia clínica”, de Mário Luiz Pardal, Campinas, Centro de Filosofia Clínica, 2001.
A vida pode representar para algumas pessoas uma confusão existencial em que as capacidades, potencialidades e autoestima lhes parecem subtraídas. Para a Filosofia Clínica esses altos e baixos da existência decorrem da movimentação tópica na Estrutura de Pensamento (EP). Portanto, qualquer modificação da existência implica em agir no modo como experienciamos os tópicos da nossa EP: “O nosso modo de ser no mundo é o que delimita e dimensiona o nosso existir”.
O livro mostra as reflexões do autor sobre o método e a teoria da Filosofia Clínica, elucidando e construindo novas indagações. (Postado em 22/06/2010)

41) “Educação para o futuro: psicanálise e educação”, de Maria Cristina Kupfer, São Paulo: Escuta, 2000.
Tendo como fundamento a prática desenvolvida na Pré-Escola Terapêutica Lugar de Vida do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo – USP, este livro relata a experiência de uma educação que leva em consideração o desejo e seu sujeito. Reconhecer o desejo e os limites que lhe são impostos constitui uma subjetividade e essa é uma das fundamentais tarefas da educação no mundo em que vivemos. (Postado em 15/06/2010)

40) "Educação não-formal e cultura política", de Maria da Glória Marcondes Gohn, São Paulo, Cortez Editora, 2001.
Este livro compõe-se de três ensaios sobre temas fundamentais da agenda contemporânea: A Educação, a Cultura e o novo associativismo do Terceiro Setor da sociedade. De forma didática reconstroem-se os significados daqueles temas, suas trajetórias na produção acadêmica e analisa-se o papel que eles desempenham na conjuntura sociopolítica e cultural mais geral do país. Refletir sobre esses aspectos é o objetivo deste livro, que destaca o tema da Cultura como central para o entendimento do mundo atual e para construção de alternativas que superem a grave crise econômica e social que vivemos. (Postado em 08/06/2010)

39) “Existem doenças incuráveis? Bioenergia e Saúde”, de Jaime Brüning. Curitiba, Expoente, 2003.
Livro compacto, atual, tratando de todos os principais problemas que afetam a saúde humana. Com 288 páginas de pesquisa através do saber do inconsciente, pelo método bioenergético ou bio-saúde. Identifica com precisão a origem, as causas mais profundas de qualquer distúrbio orgânico, sejam elas hereditárias, alimentares, parasitológicas. Não é simplesmente um livro teórico, mas eminentemente prático baseado na experiência do autor, na avaliação de mais de 35 mil pessoas de todas as partes do Brasil e também do exterior. Descreve os prejuízos causados por vermes, vírus, bactérias, fungos, ao organismo humano e aponta as soluções práticas, sempre com uso exclusivo dos recursos da Natureza. (Postado no dia 04/05/2010)

38) "Conselhos Gestores e participação sociopolítica”, de Maria da Glória Marcondes Gohn, São Paulo, Cortez Editora, 2001.
Esta obra propõe um estudo sobre a forma “conselho” na sociedade brasileira, destacando-se os conselhos gestores e sua presença na gestão das políticas públicas. Os conselhos são analisados como agentes de inovação nas políticas públicas porque, ao realizarem a mediação entre a sociedade civil organizada e os organismos governamentais, eles estão construindo uma nova esfera pública de poder e de controle social. Como tal, representam forças sociais organizadas e contribuem para o fortalecimento de novos sujeitos políticos. (Postado no dia 20/04/2010)

37) “Movimentos sociais e educação”, de Maria da Glória Marcondes Gohn, São Paulo, Cortez Editora, 2001.
Este livro compõe-se de seis ensaios sobre dois tipos de movimentos: os populares urbanos e as novas demandas e movimentos, de diferentes setores sociais, na área de Educação. Saudades por alguns analistas nos anos 70, como novos sujeitos sociais; criticados por outros, nos anos 80, como meros grupos de pressão articulados por lobbies com interesses político-partidários e/ou religiosos; o fato real é que os movimentos sociais inscreveram em leis e projetos institucionais suas demandas; lutaram por espaços democráticos junto aos órgãos públicos. O grande saldo desse processo foi o caráter educativo, de aprendizagem, que seus participantes tiveram. Mas, nos anos 90, os movimentos sociais, em geral, estão em crise: de identidade, de rumos, de objetivos, definições, projetos, mobilizações etc. As causas são várias, destacando-se as de ordem interna, dadas pelas relações entre as bases, as lideranças e as assessorias. Ao discutir tais questões, Maria da Glória Gohn contribui para o registro da memória histórica dos movimentos para o debate sobre as tendências e as perspectivas de mudança e de transformação da sociedade brasileira. (Postado no dia 10/04/2010)

36) “Resiliência e Educação”, organizado por José Tavares, São Paulo: Cortez, 2001.
Este livro é um novo espaço de estudo e reflexão para todos aqueles que se interessam pelo novo conhecimento e a nova aprendizagem decorrentes de um novo paradigma científico e de formação que as sociedades de aprendizagem e comunicação dos nossos dias estão já a exigir, flexível, resiliente para empreender, ser e estar como os outros de um modo diferente. (Postado no dia 11/01/2010)

35) "Velhice bem sucedida: aspectos afetivos e cognitivos", organizado por Anita Liberalesso Neri e Mônica Sanches Yassuda, Campinas, Editora Papirus, 2004.
Esse livro trata das alterações em processos básicos e em comportamentos intelectuais e afetivos que estão associados ao envelhecimento e propõe táticas de avaliação, de treinamento e de reabilitação cujo escopo é a melhoria da qualidade de vida dos idosos. (Postado no dia 05/12/2009)

34) “E por falar em boa velhice”, organizado por Anita Liberalesso Neri e Sueli Aparecida Freire, Campinas, SP: Papirus, 2003.
A boa qualidade de vida na velhice e na meia-idade ganha cada vez mais espaço na mídia. É grande o apelo para que os idosos mantenham a boa forma com a ajuda da medicina das indústrias de cosméticos e da moda, dos programas de turismo, de lazer e de educação. Em meio ao mar de opções, dúvidas, esperanças e medos propiciados pela velhice resta enfrentar o desafio de administrar recursos e potenciais em busca de um envelhecimento saudável e satisfatório. Ao abordar o assunto, este livro procura suas bases na psicologia e nas ciências sociais. A vida pessoal, a saúde, o envolvimento social, a educação, as relações entre as gerações e o lugar do velho e da velhice na sociedade atual são os temas centrais. O tratamento dos tópicos é cientifico, mas seu tom leve traduz-se em textos curtos entremeados de exemplos práticos. O livro é dirigido a adultos e a idosos, a profissionais que a eles prestam serviços e a estudantes. (Postado no dia 26/03/2009)

33) “Cinema, Velhice e Cultura”, organizado por Neusa Maria Mendes de Gusmão, Editora Alínea, 2005
Os que aqui cruzam a sétima arte com um tema acadêmico - a Velhice - buscam criar “competências para ver”, trazendo para leitura e reflexão, não apenas o produto cultural - o filme, em si mesmo -, mas uma certa disposição, valorizada socialmente, para analisar, compreender e apreciar as muitas histórias contadas em imagens, a fim de demonstrar que ver filmes depende de nossas experiências pessoais, do que se encontra ao nosso redor, do grupo social de que fazemos parte, de nossa origem e de nossa vida. Esta coletânea propõe processos de pensar/exemplificar a linguagem cinematográfica naquilo que, na prática pedagógica, possibilita compreender o alcance das imagens como parte do processo educativo, sem “escolarizar” ou “didatizar” o cinema. A presente coletânea resulta de afetos, paixões e, também, de preocupações relativas a certas temáticas, como é o caso da Velhice, mas também se preocupa com a Educação e com os processos educativos entendendo que cinema é conhecimento e aprendizagem. (Postado no dia 13/02/2009)

32)“Desenvolvimento e Envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas”, organizado por Anita Liberalesso Neri, Campinas: Papirus, 2001.
Por muito tempo o envelhecimento foi visto como a antítese do desenvolvimento. Respaldados pela geriatria, muitos praticantes e pesquisadores em gerontologia consideravam a velhice como sinônimo de doença. Contudo, ao longo das últimas duas décadas, novas formulações começaram a apontar a possibilidade de uma boa e saudável velhice.
Sucedeu-se um período em que a visão pessimista tradicional conviveu com um otimismo excessivo, que tomava o desenvolvimento como um processo permanente, com possibilidades quase ilimitadas de mudanças positivas.
Hoje, a perspectiva predominante dos estudos na área trabalham com três idéias fundamentais: o desenvolvimento é um processo finito, desenvolvimento e envelhecimento são processos concorrentes, e ambos são afetados por uma complexa combinação de fatores que operam ao longo de toda a vida.
Mesclando autores de várias áreas, esta coletânea discute os avanços dos conhecimentos sobre o envelhecimento humano, com o objetivo de contribuir para o fazer ciência e para a disseminação da informação. (Postado no dia 16/12/2008)

31) “Linguagem do corpo 2: beleza e saúde”, de Cristina Cairo, São Paulo: Mercuryo, 2001.
Neste livro você encontrará ensinamentos das antigas civilizações extintas sobre a influência do campo psicológico em nosso corpo físico. Com pesquisas em sociedades secretas e estudos científicos, a autora revela como o nosso inconsciente individual e coletivo se comunica através do corpo, das cores, dos alimentos e de fenômenos em nosso ambiente. (Postado no dia 13/12/2008)

30) “Doença de Alzheimer, qualidade de vida e terapias expressivas”, de Sônia Maria Castelo Branco Fortuna, Alínea Editora, 2005.
Este livro relata uma experiência clínica de atendimento a uma paciente com diagnóstico de Doença de Alzheimer. Foram usadas terapias expressivas e técnicas de arteterapia. Ajustadas à evolução da moléstia e às características da paciente, elas contribuíram para melhorar e manter a sua qualidade de vida e das relações familiares e, possivelmente, para retardar o curso da moléstia. (Postado no dia 13/10/2008)

29) “Yoga para nervosos”, do professor Hermógenes, Rio de Janeiro, Editora Record.
Este livro ensina que curar-se não é deixar de sentir sintomas. É trocar repressão por compreensão, ignorância por sabedoria, ansiedade por contentamento, psicodelismo por alegria tranqüila, desespero por coragem, regressão por evolução, fadiga por energia, guerra por paz, medo por serenidade, vazio por plenitude, agitação por quietude, egoísmo por solidariedade. (Postado no dia 17/09/2008)

28) “Os desafios da Gerontologia no Brasil”, de Andrea Lopes. Campinas, SP: Editora Alínea, 2000.
A autora demonstra como as trilhas seguidas pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia se entrelaçam com a transformação da velhice em questão digna de atenção pública, com o desenvolvimento de um novo campo de atuação profissional envolvendo diversas especialidades e com a instigação de pesquisadores de várias áreas para gerar informação sobre a velhice e o envelhecimento. Na ótica da pesquisadora, essas trajetórias têm uma dinâmica peculiar que não exclui conflitos de interesses, questões ideológicas e relações de poder entre pessoas e instituições. (Postado no dia 05/09/2008)

27) “Viva Melhor!: com a medicina natural”, de Luiz Carlos Costa. Itaquaquecetuba, SP: Editora Missionária, 1996.
Está em suas mãos um manual prático e detalhado mostrando possíveis caminhos para você alcançar saúde e bem-estar plenos. Como parte integrante da Natureza, todos precisam dos recursos que ela oferece para viver plenamente com alegria, paz e sanidade física e mental. Este livro traz uma análise fisiológica dos quatro principais sistemas do corpo humano (digestório, urinário, respiratório e epitelial), a unidade medicinal das substâncias químicas que compõem os alimentos, o imenso poder curativo das plantas, da água e do barro, tudo colocado em programas completos e específicos que poderão proporcionar naturalmente prevenção e cura para várias enfermidades, sem agredir o organismo. (Postado no dia 25/08/2008)

26) “Você é o líder da sua vida?”, de César de Souza. Rio de Janeiro: Sextante, 2007.
Este livro (que eu li e gostei muito!) apresenta a fascinante jornada de um jovem profissional em busca de novos horizontes e desafios. Desejando conhecer modelos originais de liderança, ele e sua esposa embarcam numa viagem ao redor do mundo para identificar as estratégias de sucesso na arte de inspirar pessoas nas várias dimensões da vida.
Ao longo dessa procura, o casal faz descobertas que mudam completamente sua maneira de ver a vida, dando início a uma transformadora etapa de crescimento profissional, pessoal e espiritual que o faz compreender a essência da liderança.
Nessa envolvente aventura pelos cinco continentes, somos levados junto com o personagem a conhecer as trajetórias de brasileiros bem-sucedidos em diversas áreas e de líderes de importantes empresas. Além disso, aprendemos grandes lições com histórias de vida de figuras como Nelson Mandela, Dalai-Lama e Zilda Arns.
Mesclando ficção e realidade, este livro fala diretamente a cada um de nós. Ele se destina não só a empreendedores, mas a pais, médicos, vendedores, advogados, professores, estudantes – ou seja, a qualquer pessoa que deseja se tornar melhor naquilo que faz.
Além de obter valiosas informações sobre como crescer profissionalmente e se relacionar melhor com seus liderados, você aprenderá que a maior de todas as conquistas é tornar-se líder da sua própria vida, conhecendo seus limites e suas capacidades, direcionando seus esforços e sabendo exatamente aonde quer chegar. (Postado no dia 01/08/2008)

25) “Extensão ou Comunicação?”, de Paulo Freire. 2ed. Tradução: Rosisca Darcy de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.
No campo da educação, Paulo Freire deixou marcas latentes de sua pedagogia e ações no mundo… um trabalho transformador, dialógico, preocupado com as relações entre educador e educando… um exemplo de prática efetiva. (Postado no dia 26/07/2008)

24) “DançaTerapia”, de Maria Fux, Editora Summus, 1988.
María Fux é bailarina, coreógrafa e professora com uma relevante trajetória profissional. Relata neste livro a sua experiência de mais de 30 anos com o ensino da dança para crianças, adolescentes e adultos afetados pela surdez e outras deficiências sensoriais e motoras. Sua experiência neste trabalho possibilitou o desenvolvimento de várias técnicas que são fruto da intuição, paciência, perseverança e, acima de tudo, empatia. O livro mostra todas as possibilidades de seu trabalho e como, através do movimento, podemos recuperar o equilíbrio e a alegria de viver. (Postado no dia 17/07/2008)

23) “Dia-a-dia do idoso: guia para o acompanhante”, de Armando Miguel Jr, Campinas, Master Graf, 2005.
A partir da prática diária do autor (médico com especialização em geriatria e gerontologia) e dos colaboradores este livro foi elaborado por meio de perguntas e respostas. Este guia visa fornecer entendimento para as dúvidas do dia-a-dia do idoso, como os simples procedimentos que podem prevenir desconfortos e gratificar os familiares. (Postado no dia 04/07/2008)

22) “Peça e será atendido: aprendendo a manifestar seus desejos”, de Esther e Jerry Hicks, Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2007.
Baseado em Leis Universais… quando desejamos alguma coisa, é comum ficarmos mais concentrados na idéia de que não a temos do que na vontade de tê-la. Embora essa seja uma atitude inconsciente, ela é a principal responsável pela dificuldade que temos em alcançar nossos objetivos.
Com sensibilidade e clareza, os autores mostram o que devemos fazer para atrair aquilo que queremos. Dividido em duas partes, o livro apresenta inicialmente uma visão do mundo capaz de transformar nossa vida, substituindo a negatividade por otimismo, coragem e alegria, ingredientes fundamentais para o sucesso e a realização. Na segunda parte traz 22 exercícios que nos ajudam a colocar em prática esses ensinamentos. (Postado no dia 24/06/2008)

21) “O segredo de Luísa”, de Fernando Dolabela, São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.
Um romance bem brasileiro, muito envolvente, que ensina como desenvolver uma idéia de negócios até ela poder se transformar em uma empresa com perspectivas de perenizar-se. A prática de Luísa é o tutorial que contém toda a teoria para iluminar o caminho do leitor – seja o futuro empreendedor, seja o empresário já estabelecido, mas que ainda não sabe o que é ou como se faz um Plano de Negócios. (Postado no dia 14/06/2008)

20) No campo da educação, Paulo Freire deixou marcas latentes de sua pedagogia e ações no mundo... um trabalho transformador, dialógico, preocupado com as relações entre educador e educando... um exemplo de prática efetiva.
“Educação e Mudança”, de Paulo Freire. 24ed. Tradução: Moacir Gadotti e Lillian Lopes Martin. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. (Postado em 03/06/2008)

19) Livro "200 Exercícios e Jogos para Ator e Não-Ator com Vontade de Dizer Algo através do Teatro", de Augusto Boal.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991. (Postado em 31/05/2008)

18) Livro “Velhice e diferenças na vida contemporânea”, organizado pelas professoras Neusa Maria Mendes de Gusmão e Olga Rodrigues de Moraes Von Simson, Campinas, Editora Alínea, 2006.
O tema principal deste livro é a velhice e o processo de envelhecimento de diferentes segmentos da população brasileira. No entanto, os contextos em que o velho ou idoso marcam presença variam entre textos e autores, evidenciando as múltiplas formas de se viver a velhice e os desafios sociais e econômicos que demandam políticas públicas para com aqueles que envelhecem. Significativamente, os capítulos falam em políticas sociais e de integração do chamado “outro”, o velho e sua realidade, em contextos urbanos de duas grandes cidades: São Paulo e Campinas. (Postado em 20/05/2008)

17) Livro "O poder do subconsciente", de Joseph Murphy, Rio de Janeiro: Nova Era, 2006, 50ª edição.
Este é um livro considerado de auto-ajuda, mas diferentemente da linguagem comum que permeiam estes livros, O poder do subconsciente traz recentes descobertas científicas sobre nossa mente e como utilizar o poder mental a nosso favor. Foi um marco em minha vida, uma leitura que me fez crescer e mudar meus padrões mentais. (Wanda) (Postado em 10/05/2008)

16) Livro "Saúde e Qualidade de Vida na Velhice", organizado por Anita Liberalesso Neri, Maria José Delboux Diogo e Meire Cachioni, Campinas: Alínea, 2004.
Esta coletânea apresenta o olhar das várias profissões da área da saúde com enfoque para a discussão da qualidade de vida na velhice. (Postado em 02/05/2008)

15) "Educação e Vida", de Antônio Carlos Gomes da Costa, Alfredo Carlos Gomes da Costa e Antônio de Pádua Gomes Pimentel, Belo Horizonte: Modus Faciendi, 2001.
Este livro pretende ajudar a todos, e a cada adolescente, a educarem-se para a vida. Educarem-se e não, como normalmente se pensa, serem educados. A educação de um jovem é, em primeiro lugar, responsabilidade dele próprio e, em segundo lugar, dos seus educadores. Se você não quiser assumir a responsabilidade pelo seu presente e pelo seu futuro, nem o melhor educador do mundo poderá fazer alguma coisa que melhore efetivamente a sua capacidade de enfrentar e vencer os desafios que a vida coloca diante daqueles que estão começando. (Postado em 25/04/2008)

14) Amabile e Tranqüila - minhas duas nonas.
O livro escrito por Margareth Brandini Park aborda, de forma clara e poética o ciclo da vida humana amparada no suporte do ciclo das plantas. A ligação das avós imigrantes italianas com a terra facilita o entrelaçamento proposto.
Com a experiência de uma educadora que trabalha com a Memória há muito tempo, consegue aliar conceitos importantes de forma a disponibilizá-los a todas faixas etárias.
Abordando histórias de vida, imigração, ciclo de vida, memórias de infância, memórias olfativas e gustativas, no caso das receitas das nonas, memórias estéticas, no caso dos jardins e hortas, o conceito de finitude existencial de forma clara a educadora oferece um vasto panorama das questões da memória e das relações intergeracionais.
Para as crianças, ouvintes e leitoras há interessantes possibilidades de estudo sobre uma outra época, sobre hábitos passados, sobre as memórias e histórias de sua família, sobre as diferenças do cotidiano de um passado recente.
O ato de ouvir e contar histórias acompanha o homem desde os tempos arcaicos e além do prazer despertado pela narrativa, se o leitor /ouvinte estabelecer identificação, a leitura será significativa e construtora de novos conhecimentos. Nesse sentido a história de família, a história das “nonas” pode ser um catalisador de uma viagem no tempo onde o passado e o conhecimento acumulado e o futuro com suas tantas possibilidades se transformam em um tempo presente, se presentificam.
Este livro pode ser encomendado pelo email: comercial@editora setembro.com. br
Público alvo:
- crianças;
- educadores do Infantil, Fundamental, Universidade de Terceira Idade;
- educadores ambientais;
- Público em geral;
- educadores e pesquisadores interessados em relações inter-geracionais;
- educadores e pesquisadores interessados em Memórias;
- pesquisadores interessados em imigração italiana.

13) "Corpo, dança e educação contemporânea", por Isabel A. Marques. Revista Pro-Posições, vol 9, nº 2 (26), junho de 1998.
Este artigo discute algumas relações existentes entre conceitos de corpo e de dança. Alicerçado pela história da dança, a autora pontua desdobramentos educacionais na área de ensino de dança decorrentes destes conceitos. Para tanto, parte de história de vida pessoal, comentando e discutindo o ensino de dança recebido desde o balé clássico às propostas de danças ditas "contemporâneas". A autora termina o artigo levantando questões sobre o corpo e a dança no mundo tecnológico. (Postado em 11/04/2008)

12) Sensibilidade, emoção, aprendizado, evolução... encontros entre um aluno e seu professor acamado... lição de esperança sobre o sentido da existência, em que a experiência e reflexão são transmitidas de forma simples e comovente... "A última grande lição: o sentido da vida", de Mitch Albom, Editora Sextante (GMT Editores Ltda), Rio de Janeiro, 1998. (Postado em 31/03/2008)

11) Fala-se muito em qualidade de vida atualmente... recomendamos a leitura do livro "Qualidade de vida na velhice, enfoque multidisciplinar", organizado por Anita Liberalesso Neri, Editora Alínea, Campinas, 2007.
Parte dos textos trata de temas novos, entre eles o envelhecimento de pessoas portadoras de deficiência física e mental e as relações dos idosos com a morte. Outros veiculam debates e dados atualizados sobre questões demográficas e econômicas, cuidados de longa duração, saúde bucal, fragilidade biológica, cognição, saúde mental e planejamento de ambientes construídos favoráveis aos idosos. Há, também, textos de natureza conceitual, que apresentam novos enfoques teóricos, e sobre avaliação da qualidade de vida na velhice, apropriados à compreensão e ao atendimento às questões do envelhecimento no Brasil. (Postado em 24/03/2008)

10) O livro "A arte de se cuidar", do médico João Curvo, traz o resgate de nossa percepção curativa por meio de práticas simples como alimentar-se e exercitar-se devidamente. Trata-se de conhecer o próprio organismo e sentir o que lhe faz bem ou não. Editora Rocco, Rio de Janeiro, 1999, 4ª edição. (Postado em 14/03/2008)

9) Para quem quiser conhecer estratégias de preservação da memória, concentração e criatividade, sugerimos a leitura do livro "A saúde do cérebro", de Robert Goldman, Editora Campus, Rio de Janeiro, 1999, 2ª edição. (Postado em 06/03/2008)

8) "Educação não-formal: contextos, percursos e sujeitos", de Margareth Brandini Park e Renata Sieiro Fernandes (organizadoras), CMU, setembro, 2006.
Este livro, lançado por pesquisadoras - educadoras do Centro de Memória da Unicamp, é uma valiosa coletânea de artigos de profissionais de diversas frentes de trabalho e militantes da educação não-formal. Seus relatos enriquecem nossa compreensão sobre as possibilidades, alcances e demandas deste setor em franco crescimento em nosso país. Com exemplos de projetos de sucesso e de ações que fracassaram pela insuficiência de recursos e de vontade política, o livro nos leva a avaliarmos a importância e a urgência de uma educação integral e criativa para crianças, jovens e adultos brasileiros.
Dica de Raquel Gouvêa, na Revista Contra Regra, edição 31, out/nov de 2006. (Postado em 22/02/2008)

7) Para quem sente falta e quer relembrar os bons e velhos tempos do Circo e Circo-Teatro, o livro Circo Nerino, ao mesmo tempo que "mata" saudades, traz ainda mais deste lugar mágico que hoje está perdendo espaço para a televisão, efeitos especiais, etc. A cada página, através de fotos e fatos históricos, Roger Avanzi (Palhaço Picolino) narra casos engraçados e tristes. Uma história com a magia do mundo circense que merece ser lida e compartilhada.
Autores: Roger Avanzi e Verônica Tamaoki, 2004. Editora Pindorama Circus.
Dica de Eduardo Viana, na Revista Contra Regra, edição 28, maio de 2006. (Postado em 15/02/2008)

6) Cresce o número de notícias sobre a velhice e o envelhecimento. Para quem se interessa por esta área, sugerimos a navegação no site www.portaldoenvelhecimento.net Um site confiável, que tem como tarefa transferir notícias para os usuários e produzir outras informações que se tornam pauta para os meios de comunicação. (Postado em 08/02/2008)

5) Para quem quiser aprender técnicas básicas de auto-cuidado, sugerimos o estudo do livro "Do-In: livro dos primeiros socorros", de Juracy Cançado, Editora Ground, São Paulo, 1993, 29ª edição. (Postado em 05/02/2008)

4) Um livro muito interessante que trata sobre a questão da saúde na velhice é o "Saúde na Terceira Idade", do Hermógenes, Editora Nova Era, Rio de Janeiro, 2003, 11ª edição. (Postado em 29/01/2008)

3) Para quem quiser estudar as contribuições de Wallon, Vygotsky, Rogers, Freud, Piaget e Skinner para o mundo da educação, sugerimos a leitura do livro "Psicologia e Educação: revendo contribuições", organizado por Vera Maria Nigro de Souza Placco, Editora Educ, São Paulo, 2000. (Postado em 22/01/2008)

2) Para quem quiser estudar a relação entre sensibilidade e educação, sugerimos a leitura do livro "O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível", de João Francisco Duarte Júnior, Criar Edições Ltda, Curitiba, 2001. (Postado em 15/01/2008)

1) Para quem quiser compreender um pouco mais os conceitos gerontológicos, sugerimos a leitura do livro "Palavras-chave em Gerontologia", organizado pela maravilhosa professora Anita Liberalesso Neri, editora Alínea, 2ª ed. Revisada e ampliada, Campinas, 2005. (Postado em 07/01/2008)

GeroVida Todos os direitos reservados.2017 - Desenvolvimento - Dinamicsite®